segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Referência Pessoal - Necessária mas Cuidado

O ser humano vive se espelhando nas pessoas e tentando ser inserido em algum grupo. Referenciar-se e tentar seguir alguma coisa parecida de alguém, seja ele sua mãe, seu pai, seu chefe é muito comum, e mais natural do que percebemos, isso porque muitas vezes nem percebemos.

Sempre estamos admirando pessoas e querendo seguir alguns de seus hábitos, um comediante talvez - falar que nem alguém que agente acha bonitinho falar ...
Alguns têm por referência um político, um cantor, uma atríz...
E isso é muito mais verdade do que a gente pensa. Pensando nisso, resolvi escrever sobre a situação referêncial que enquadramos a cada dia e no que ela pode atrapalhar em nossa vida, ou então melhorar. Sim, precisamos de alguém não para ser igual, mas para vermos como ela seguiu aqueles caminhos e tentar fazer melhor.

Gaúchos falam que nem gaúchos. Paulistas não falam o "carioquês" tão bem quanto os cariocas. Italianos não falam tão bem inglês como um americano... Isso é óbvio. Estamos muito vulneráveis a ações de fora, mais especificamente de perto. Perceba isso. Você deve ter percebido que muitas das palavras que você diz, são clichês que alguém de sua família costuma usar..

A não ser que você leia muito, ou assista bastante televisão, a tal ponto de não acordar dizendo a palavra "Bom dia" para seu irmão quando acorda, ou boa noite para seu pai quando vai dormir... Família é assim... convivemos e aprendemos também muitas coisas. Dificilmente veremos um pai caipira e a mulher pós-graduada. As coisas se integram mas não necessariamente se generaliza. Preconceitos a parte, nem todas as famílias constituem de pessoas que tem a mesma ideia. Contudo o nivelamente linguístico acaba se equilibrando dentro das famílias.

Aprendemos a falar com nossa família, ela nos ensina o que dizer primeiramente... "Fala mamãe". "Mamãe" diz a criança, e assim vamos aprendendo cada palavra. Essa referência é muito importante.

Mas muitas vezes a referência se perde. Imagina alguém que admira um político, e o acha muito sagaz e correto. Quando a pessoa descobre algumas de suas falcatruas (não que todos políticos sejam assim), a pessoa praticamente se desencanta...
Ainda bem que sua admiração não foi tanta a tal ponto de cegá-la intelectualmente e conscientemente e seguir o mesmo caminho.

Alguém que admira um criminoso tem grandes chances de também ser. Isso porque é muito fácil de a admiração se transformar em exemplo de vida. Como assim? Eu explico.
Quando você admira uma pessoa a tal ponto de ouvir o que ela diz sempre. Você não quer saber mais de nada, é que nem uma religião...

Adolf Hitler levou muitas pessoas cristãs a acreditarem nele, e o que ele fez? - Uma das maiores desumanidades que o mundo já viu. E por que? Porcausa do poder - mas aí é outra história.

Uma grande coisa que aprendi é nunca beber de apenas uma fonte, ou seja, nunca pegar como referência apenas uma pessoa por mais legal, simpática, ética que ela seje, ou possa parecer. Isso porque se um dia essa pessoa te decepcionar por não ser nada disso, ou então mudar o jeito de ela ser, você terá outros pilares, e sua casa não ruirá.

Pense nisso, não tenha nunca uma referência apenas. Se você tem alguma religião, cuidado para que não fique cego para outras ideias. Procure saber de tudo, e seguir aquilo que acredita sem perder a informação lateral. Tomara que tenham gostado da postagem de hoje

0 comentários: